domingo, 24 de agosto de 2014

Das ist nicht wahr, Pastore

Some say he is a great market macro economist. He may be. I dont care, though. If he makes a mistake, I point it out. For society´s sake and because the guy, apparently, needs some humbling.

His piece in the Estadão today (sonntag) is a fine one. And I agree with all criticisms he puts forth.

Now, once again (I lost count) his microeconomics is defficient. On the labor tax thing this time. He suggests entrepreneurs incurred in a "fallacy of aggregation" when pressed the government to reduce  taxes on hirings. What was supposed to be good for one individual firm, he argues, was untrue for the whole of them because labor demand shifted to the right thus putting pressure on economy-wide wages.

This, of course, is wrong. Yep, by cutting labor taxes the government generated a shift in labor demand. However, in the worst case possible -- an infinitely inelastic labor supply schedule -- this shift cancels the tax reduction out completely in terms of final wage bill (INCLUDING TAXES). In all intermediary cases, some wage reduction is achieved. So the argument does not hold: firms are better off after the bill (you may argue the impact was small, but not that the policy achieved the opposite of the intended result).

Make no mistake: it was a terrible policy choice, reducing labor taxes. But that is not the point here. I want you -- and hopefully Pastore -- to understand the theoretical error in the article.

Auf wiedersehen,

X

ps. in my last post, a funny anonymous mentioned I was cesg. That cant be true, since cesg flunked his german exam. By now, most people know my real name is Antoninho de Botucatu.

9 comentários:

  1. OoOOOOooooOOOO O ECONOMISTA X VOLTOOOoooooOOOooOoOOOO
    O ECONOMISTA X VOLTOOoOOOOOOOOO
    O ECONOMISTA X VOLTOOoooOOOO

    OOOOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  2. Adoro o Fabio e seus posts...

    ResponderExcluir
  3. Pastore, one of the best macroeconomists alive. Period.

    ResponderExcluir
  4. Sempre que entro no blog vejo msgs arrogantes questionando a competência de outros economistas. Quantos prêmios Nobel temos por aqui?
    Talvez valha a pena visitar outro blog, pois a prepotência de alguns faz duvidar de suas reais qualidades como economistas. E olha que a princípio achei interessante a proposta dos blogueiros e sempre leio os posts. Mas chega uma hora que cansa ver o excesso de sarcasmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra criticar precisa ter premio Nobel então?


      Tá serto

      Excluir
    2. U fink i m arrogant ? it is cause u never met HIM !

      I dont give a xit to what u fink, i am a super hero, i am society´s guardian, the last man standing, and i ll be remembered forever,

      I AM ECONOMIST X !

      Excluir
  5. Anônimo das 9:41, não disse que deve ser Nobel para criticar, pelo contrário. Você pode criticar sim, pois enriquece o debate. Mas não precisa ser sarcástico ou arrogante, como fazem alguns do fórum (aliás, a academia está repleta de prepotência entre muitos, e isso é notado aqui). Citei o Nobel porque o cara fala como se fosse superior ao outro, sendo até meio tola a forma de falar. O economista X quer ser o herói do saber, mas não percebe que o tom que às vezes fala é até um pouco infantil.

    Economista X, se o Pastore é arrogante, isso não é motivo para vc ser o mesmo. Você pode publicar algo bacana para o conhecimento crítico das pessoas que gostam de economia sem ser arrogante. Mas ok, vc é um "super hero". Talvez seja uma perda de tempo tentar fazer uma crítica aqui.

    O fórum vale a pena pelos posts de caras como Mauro e Sergio, mas bobos como vc às vezes o tornam menos interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa postar anônimamente, Sr. Pastore.

      Excluir
    2. Se o anônimo é o Pastore ou não, eu não sei. Mas a arrogância apresentada aqui por alguns é uma evidência do que ocorre na academia. Esse é um motivo para que as pessoas não migrem para a academia. Um meio de tantos egos e pouco trabalho (em economia no Brasil pelo menos)!!!

      Excluir