segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Jean Tirole, Prêmio Nobel de Economia de 2014



Há algumas décadas o Prof. Jean Tirole é um dos economistas mais influentes da academia internacional. Uma posição obtida como fruto da sua extensa, ampla e profunda agenda de pesquisa. Os dois campos citados na premiação, de regulação e organização industrial são realmente onde suas contribuições foram mais impactantes. 

Na organização industrial, Tirole esteve na fronteira do movimento que incorporou as contribuições da teoria dos jogos à análise de mercados com concorrência imperfeita (onde existem poucas empresas). Dentro deste campo, suas contribuições são muito variadas. Ele produziu artigos seminais em inovação, barreiras à entrada, restrições verticais e mais recentemente em economia de redes. Também elaborou o Livro “The Theory of Industrial Organization” que teve um papel na estruturação deste campo. Publicado em 1988, na sua versão em inglês, o livro permanece até hoje como a referência básica deste campo. Esta, aliás, é outra faceta do laureado. Sua capacidade de síntese produziu diversos outros livros que resistem ao tempo como referências para estudantes de economia.

Na área de Regulação, Tirole trabalhou intensamente com Jean-Jacques Laffont, que faleceu de forma prematura em 2004. Regulação trata do funcionamento de setores onde, pela existência de retorno a escala, o monopólio natural é a estrutura de mercado mais eficiente. Em tais mercados a regulação é a estratégia viável para evitar que estes monopólios obtenham lucros extraordinários cobrando preços muito elevados, em prejuízo dos consumidores. Antes das contribuições de Laffont e Tirole, a regulação tradicionalmente funcionava com contratos de compensação de custos, onde o governo remunera os custos apresentados pela empresa adicionando uma margem de lucro considerada justa. O trabalho de Laffont e Tirole foi o de analisar o papel dos incentivos existentes nos contratos e suas implicações para o funcionamento destes setores. Eles mostraram que, na presença de assimetria de informação, os contratos de compensação de custos geram incentivos para empresas inflarem seus custos, onerando os serviços prestados. Laffont e Tirole apontaram para o redesenho dos contratos com objetivo de prover incentivos à redução de custos, que em última instância poderiam ser revertidos aos consumidores. Seus trabalhos reforçaram o desenvolvimento de contratos de regulação via price cap (limite de preço) tão difundidos atualmente ao redor do mundo. 

Nesta agenda, o papel de Jean-Jacques Laffont foi possivelmente mais relevante que o de Tirole, como ele próprio reconheceu em sua declaração após ser informado da premiação “I am more than aware of the key role he (Laffont) played in what is happening to me today.” Se estivesse vivo, certamente Laffont estaria dividindo este prêmio com o Tirole.

Não obstante a importância destas contribuições merecedoras de um prêmio Nobel, Tirole tem trabalhos fundamentais em diversas outras áreas. Teoria dos Jogos, Teoria dos contratos (incentivos), Finanças, Macroeconomia, Finanças internacionais, Economia política e em Psicologia aplicada à economia contam com contribuições seminais dele. Para ter-se uma ideia, consultando o nome Jean Tirole no Google Scholar temos que chegar à impressionante décima segunda página de resultados de pesquisa para encontrar um artigo seu que possua menos de 100 citações. Contemplando a sua obra temos a impressão de observar um indivíduo extremamente inteligente que planta sementes em diversas áreas da economia, mas sem exaurir toda a agenda de pesquisa do campo. Desta forma seu trabalho sempre abre espaço para novos desenvolvimentos. Por isso Jean Tirole é tão influente. É praticamente inconcebível que alguém tenha completado seu doutorado em economia nos últimos 20 anos sem ter contato com o trabalho dele.

Francês, Jean Tirole é fruto do sistema de Grand Écoles, onde se formou em engenharia na prestigiada École Polytechnique. Completou seu PhD em economia no Massachusetts Institute of Technology em 1981, onde até hoje é professor visitante regular. Pela influência de Jean-Jacques Laffont, foi trabalhar na Universidade de Toulouse que atualmente possui um dos melhores Departamentos de economia do mundo e certamente o melhor da França.

16 comentários:

  1. Oh, mais um regulatory-freak ganhou o Nobel, que inédito.

    O pior mesmo é ver "Liberais" aplaudindo isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, se você souber de estratégias viáveis para gerar concorrência em setores como fornecimento de água ou energia elétrica por favor compartilhe! Serão de grande valia para a humanidade!

      Excluir
    2. http://mateusbernardino.wordpress.com/2012/11/04/321/

      Excluir
    3. só aceita meu caro. a ciencia economica moderna é muito mais cmplexa do que simplesmente mandar um "concorre todos com todos"

      Excluir
    4. Que tal uma visão um pouco mais completa do seu comentário?

      http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1950

      Excluir
    5. MISES MISES MISES MISES MISES MISES


      Tinha certeza que ia ter nego fazendo referência à esse site hahahahaha

      Excluir
    6. Qual o problema com Mises, além de ser pouco estudado?

      Excluir
    7. O texto dest site aí é impressionante. Não sei porque esses caras são tão pouco conhecidos e estudados.

      Excluir
    8. Nenhum problema, mas é certeza que em qualquer discussão envolvendo qualquer tema vai ter alguém trazendo um artigo do Mises como verdade irrefutável ( ou "mais completa")

      Outro dia eu tava discutindo quem foi melhor, Romário ou Ronaldo, e me mandaram um artigo falando de ordem espontânea...

      Excluir
    9. Desculpe Rafael, não quis desmerecer seu texto (Sou o anônimo original). Apenas queria apontar como nas últimas décadas o Nobel tem sido sistematicamente dado à economistas que defendem cada vez mais intervenção estatal na economia, e como é possível que economistas que se dizem liberais achem isso natural. Eu não acho. Mas também não sou economista rs :).

      Quanto ao texto do Von Mises recomendado, realmente achei muito bom, um ponto de vista "de fora da caixa" que achei muito sensato.

      Excluir
    10. O direcionamento da academia se deve basicamente ao fato de que entendimento de um mercado competitivo está bem estabelecido. Falhas de mercado, e o que fazer com elas, são coisas que ainda não são bem entendidas. Por isso existe mais esforço acadêmico nessas áreas. Então é natural que o Nobel reflete isso. Mas, no geral, as amarras de consistência lógica da teoria permanece predominantemente a mesma.

      Excluir
  2. Economista brilhante com ótimos papers. Nobel merecido

    ResponderExcluir
  3. Avisem a Nobel Foundation deste trabalho. Ainda dá tempo de transferir o prêmio do Tirole ao sujeito.

    ResponderExcluir
  4. Belo texto, Rafael.
    Abs.,
    Diogo.

    ResponderExcluir
  5. Caro Rafael Costa Lima,
    Uma dúvida de leigo a respeito do trabalho de Tirole: Se eu entendi bem, o trabalho de Tirole parte do pressuposto de que existem falhas de mercado. No entanto, outros economistas afirmam que existem falhas de governo também.
    Tirole leva em conta a possibilidade de falhas de governo em seus trabalhos sobre regulação?
    Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A contribuição principal diz respeito a falhas de mercado, mas em alguns trabalhos eles consideram o problema de "captura" do regulador pelo regulado. Não é uma possibilidade ignorada por eles.

      Excluir