terça-feira, 29 de outubro de 2013

A Dilma mudou?

BC subindo juro, já subiu 225 e vem mais.

Petrobrás planejando gatilho, para preço não ficar defasado.

Mantega e etc falando que crédito público vai focar mais, vai reduzir velocidade de expansão.

Arno na geladeira.

Senado levantando tese de BC independente.

Delfim atacando governo no Valor, falando do fiscal.

O que significa isso tudo? Poeira no olho do eleitor, ou aprendizado que politica econômica heterodoxa não funciona?



26 comentários:

  1. Sou mais pessimista, acho que é apenas um ciclo pró-mercado da ideolodilma .... a tendência de longo prazo ainda é tavarez

    ResponderExcluir
  2. Como a Marina está se mostrando pró mercado, a Dilma resolveu seguir a linha, no entanto acredito que ela não aprove BC independente.

    ResponderExcluir
  3. Como diz um amigo meu, o Brasil e' mediocre +- 1 desvio padrao, acho que so esta tentando o muddle through ate a eleicao, quanto menos barulho melhor pra ela...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Q bom que ainda existem pessoas lúcidas otimistas no Brasil!!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  5. Meu caro CESG, desculpe-me a intromissão, mas não há receita de bolo para política econômica. Políticas heterodoxas falham e políticas ortodoxas também falham, infelizmente.

    Sem apresentar evidências do que acerta mais ou falha mais, em média (tendo definido previamente, e de forma precisa, o que quer dizer dar certo ou dar errado), encaro seus argumentos como simples verborragia ideológica.

    Ah, não adianta trazer um ou dois casos de sucesso de políticas ortodoxas porque aí é roubar. Te trago duas experiências mal-sucedidas e ficamos quites. Quero evidências robustas.

    Forte Abraço

    XX

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aww, fala pra gente aí essas experiências so-called ortodoxas mal-sucedidas. Você não vai citar a abertura comercial dos anos 90, o PROER ou a simulação de hiperinflação da URV (genial hein) não né?

      Seja lá o que diga, vc tem que entender o seguinte filho: ortodoxia == destruição de rent-seekers, pró-market stuff. Infelizmente, o melhor que vai conseguir por aí é um híbrido de stuff esquerdista com coisa pró-mercado.

      Excluir
    2. leia o Why Nations Fail...tem varios exemplos la.

      Excluir
    3. "leia o Why Nations Fail...tem varios exemplos la."

      Você leu e não lembra ou não leu e acha que lá tem? Se for a primeira opção, como pode estar certo da recomendação se não lembra? Se for a segunda...não vale a pena o trabalho. Se a opção for "li, lembro mas tô com preguiça de escrever", por que comentar qualquer coisa então?

      Excluir
    4. Oh louco, que voadora no peito!

      Excluir
  6. Acho que é ainda hetero, apesar das quebradinhas.

    ResponderExcluir
  7. Pra mim e' claro, o foco e' minimizar o barulho com a proximidade das eleicoes.
    Agora ela esta ficando num corner: de um lado as agencias de ratings ameacando downgrade. Embora 99.999% do eleitorado petista nao faca ideia do que isso seja, parece ser importante pros marqueteiros do governo.
    De outro lado, como exemplificado no debate entre os cadidatos a presidencia do PT semana passada, ainda ha entre eles a percepcao de que as politicas heterodoxas estavam quaaaase dando certo (e o resultado so nao teria sido mais rapido gracas a sabotagem dos especuladores e rentistas que foram prejudicados pela corajosa presidenta) e que dar meia volta agora e' se acovardar diante dos tubaroes internacionais.
    Entao pra mim e' um intervalo, esperando as eleicoes, para depois voltar a carga desenvolvimentista

    ResponderExcluir
  8. Também estou pessimista. Acho que é mais para neutralizar o discurso da Marina/Eduardo e do Aécio sobre a volta do tripé. Espero estar errado.

    Bruno



    ResponderExcluir
  9. Ela está queimando o Estoque de credibilidade com falsas sinalizações, nada mais do que isso.

    ResponderExcluir
  10. Temas que pesam na eleição (o marketeiro me contou): a inflação alta e a Petrobrás sendo detonada. O governo acionou as alavancas para defender os flancos ameaçados, inclusive da sanha das agencias de rating. A selic era a reação óbvia e mais fácil, já o discurso de rigidez fiscal é só discurso. O reajuste dos combustíveis foram retardados no sonho de juros reais de 2%, mas já que os juros voltam para 4,5% deixa acontecer e acerta o caixa da combalida Petro. Ou seja, entraremos 2015 com juros perto de 10%, Dilma reeleita e pista para fazer cambalhotas heterodoxas.
    Maradona

    ResponderExcluir
  11. Cesg, you should know better; she is simply fighting for the median voter now that the other candidates have positioned themselves in the policy spectrum.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Não X, o eleitor mediano brasileiro ainda está bem longe de se preocupar com tripé macro.
      Dilma tá querendo atrair o "financiador de campanha mediano", já que eduardo e aécio vêm se vendendo muito mais pro-business pra essa turma, e bancar 3 campanhas não é pra qualquer um.

      Excluir
  12. Mudando totalmente de assunto, vocês já viram esse vídeo abaixo? É muito bom, hahaha https://www.youtube.com/watch?v=dhSt43SkPNA

    ResponderExcluir
  13. Quem acredita em governo fazendo o certo é mulher de malandro... desde sempre

    ResponderExcluir
  14. O governo percebeu que o mau humor do mercado tinha atingido níveis que poderiam criar um cenário eleitoral mais perigoso (principalmente sob a perspectiva das fontes de financiamento, cada vez mais encantadas pelas alternativas Aécio-Campos-Marina).
    Nesse contexto, sai barato retroceder temporariamente em alguns equívocos (excessiva intervenção na política monetária, Petrobras a cada dia mais próxima da insolvência, contratos sendo desrespeitados, etc). Mas acho que ninguém duvida que pessoas como Mantega, Dilma, Agustin, Beluzzo, etc não mudaram uma vírgula nas suas convicções.
    Tem muita coisa importante que os petistas não sabem, mas a mais importante eles sabem: como ganhar uma eleição. Como os adversários não sabem, teremos mais uns 10 anos com eles, pelo menos.

    ResponderExcluir